Cargos no candomblé ketu

0

No candomblé há uma diversidade de cargos que são dados aos mais velhos, de acordo com as funções que irão exercer no terreiro. Abaixo, listamos alguns desses cargos.

Abiã

A pessoa que frequenta o candomblé e já passou pelo ritual de lavagem do fio de contas e pelo bori, mas que ainda não se iniciou (não fez santo).

Etimologia

Segundo Nei Lopes, do iorubá abéyò, “seguidor”, “adepto”.

Já para Janaína Azeveno vem do iorubá, “aquele que vai nascer”.

Aboré

Aboré é um cargo do candomblé, título dado ao babalorixá mais velho, no topo da hierarquia. Também chamado de babanlá.

Etimologia

Segundo Nei Lopes, vem de aborè, sacerdote do culto de Ore, um orixá de Ifé.

Segundo o Dicionário Michaelis, do iorubá, aborẹ.

Açobá

Nos candomblés de nação Ketu e Jeje, cargo de quem prepara as cabaças a serem usadas em ritos religiosos, ou prepara feitiços em cabaças.

Etimologia

Do iorubá, asogba (“indivíduo que prepara cabaças).

Adoxú

Adoxú é aquele que foi iniciado para um orixá. Em outras palavras, que tem a cabeça feita. O nome faz referência ao oxú, que é colocado sobre a cabeça do iniciando. Termo usado no candomblé e na religião tradicional iorubá.

Etimologia

Do iorubá, adósùú ou adóṣù.

Ajibonã

No candomblé, auxiliar feminina da ialorixá ou do babalorixá, que se encarrega de acompanhar o iaô durante a feitura de santo.

Etimologia

Segundo Yeda Pessoa de Castro, citada por Nei Lopes, vem do fongbé, ajigbonã. Segundo Abraham, também citado pelo autor, do iorubá, ajigbónón.

Alabê

É o ogã chefe dos tocadores de atabaques em terreiros de candomblé Ketu. É ele o encarregado de entoar os cânticos.

Segundo Nei Lopes, originalmente o seu nome designava, principalmente no Tambor de Mina maranhense, o tocador de agbê.

Etimologia

Do iorubá, Alagbe, o dono da cabaça.

Alabê-runtó

Segundo Nei Lopes, termo jeje-nagô que se refere ao tocador do atabaque rum.

Etimologia

Vem de Alabê, mais o fongé houn hô tô, “tocador de tambor”.

Axogum

No candomblé, é o cargo/ título do ogã encarregado do sacrifício de animais. Também conhecido como ogã de faca. O termo é usado pelos candomblés de nação Ketu e Jeje.

Etimologia

Segundo o Michaelis, do iorubá, aṣògún.

Babalorixá

O sacerdote do candomblé. O mesmo que pai de santo, zelador de santo ou pai de terreiro. Também pode ser chamado apenas de Babá (do iorubá, bàbá, “pai”). Cargo masculino de maior autoridade dentro de um terreiro.

O cargo feminino equivalente é o de ialorixá ou mãe de santo.

Termo usado no candomblé de nação Ketu e em alguns terreiros de umbanda. No candomblé de Nação Jeje é chamado de doté ou vodunô. Na Nação Angola, de tata de inkice.

É o grau hierárquico mais elevado do corpo sacerdotal de uma casa de santo e o mediador por excelência entre os homens e os orixás. Para se chegar a este cargo, no candomblé, é necessário passar por um período de aprendizado de pelo menos 7 anos e pelas seguintes obrigações: feitura, 1 ano, 3 anos e 7 anos.

Etimologia

Segundo o Dicionário Michaelis, do iorubá, bàbálóriṣá.

Segundo Nei Lopes, do iorubá, babalóòrisá.

Babalaxé

O mesmo que babalorixá.

Babalossaim

Encarregado das folhas e das plantas rituais.

Ebomi

No candomblé de Nação Ketu, significa “irmão mais velho”, sendo um iniciado que já completou a sua obrigação de sete anos. Ao se tornar ebomi, o adepto pode assumir cargos hierárquicos dentro do terreiro. E, caso queira, pode abrir o seu próprio terreiro, tornando-se assim pai ou mãe de santo.

Na Nação Jeje, o termo usado é vodunci.

Iabassê

Mulher que comanda a cozinha de um terreiro de candomblé. É especialista no preparo das comidas sagradas dos orixás. Cargo da maior importância, uma vez que as oferendas preparadas na cozinha são de suma importância para o culto dos orixás.

Ialorixá

Ialorixá é o mesmo que mãe de santo, zeladora de santo ou mãe de terreiro. Cargo feminino de maior autoridade dentro de um terreiro. O cargo masculino equivalente é o de babalorixá.

O termo é mais usado no candomblé, mas também é adotado em alguns terreiros de umbanda.

Etimologia

Do iorubá, ìyálọrìṣà.

Iaô

A pessoa que passou pela “feitura de santo”, tendo sido iniciada no candomblé.

Tendo se iniciado, já deixou de ser abiã. Quando completar sua obrigação de sete anos, passará a ser um(a) ebomi.

Etimologia

Segundo o Dicionário Michaelis, do iorubá, ìyawó, “esposa mais jovem”.

Segundo Pierre Verger, do iorubá, iyawóòrìşà, “mulher do orixá”.

Apesar das traduções, o termo é usado indistintamente para mulheres e homens.

Iyadagan

A mais velha das filhas de santo que realizam o ipadê de Exu. Também chamada de Dagan ou Dagã.

Referência

Dicionário de Folclore Brasileiro – Luís da Câmara Cascudo – Ediouro

Dicionário Michaelis

Dicionário dos rituais afro-brasileiros – LP Baçan

Dicionário da Umbanda – Altair Pinto – Editora Eco.

Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana – Nei Lopes – Selo Negro – Açabá

Elebo – Magias e oferendas afro-brasileiras – Fernandez Portugal Filho – Editora Isis – 2013

Ewé Òrìsà: Uso Litúrgico e Terapêutico dos Vegetais nas Casas de Candomblé Jêje-Nagô

Orixás – Pierre Fatumbi Verger – Editora Corrupio

Tudo o que você precisa saber sobre umbanda – Volume 2 – Janaína Azevedo – Universo dos Livros

Related verbetes

Cargos na umbanda

Next article

Comments